Na última sexta-feira (13), foi realizada a Assembleia Geral para discussão e aprovação do novo estatuto da Associação Centro de Informação e Assessoria Técnica (CIAAT) e para eleição da Diretoria e do Conselho Fiscal para o triênio 2021-2023, na sede do CIAAT, em Governador Valadares.

Os associados do CIAAT compareceram ao evento presencialmente e por meio de videoconferência. Devido ao período de pandemia, a Assembleia foi realizada de forma híbrida para que, mesmo remotamente, todos pudessem participar da discussão e da eleição.

O presidente da Associação, Alberto Cirino, deu boas-vindas a todos e destacou a necessidade de efetivar o quadro de sócios do CIAAT. Para reuni-los na Assembleia Geral, foi feito um levantamento dos associados desde a primeira ata da instituição, onde constavam os sócios-fundadores. O edital de convocação foi publicado no site e afixado na sede.

“Todas as pessoas presentes são importantes para a instituição. Cada um de nós tem a sua parcela de contribuição e penso que podemos fazer ainda mais”, afirmou. Alberto Cirino também destacou a importância dos projetos para recuperação da Mata Atlântica: “O CIAAT tem atuado na área ambiental com uma contribuição muito importante, e já tem um horizonte de novas propostas de trabalho”.

Antes da leitura de estatuto, alguns associados fizeram considerações e expuseram suas dúvidas. Em relação à estrutura organizacional, foi esclarecido que a Coordenação é a instância que operacionaliza, com o respaldo jurídico da Diretoria, e é fiscalizada pelo Conselho Fiscal.

A advogada responsável pela assessoria jurídica, Melissa Meira Vasconcelos, explicou que o novo estatuto poderia ser considerado uma reforma do estatuto anterior. A partir de um estudo comparativo com o de outras instituições, a assessora buscou melhoria nos pontos em que haviam brechas tanto em relação à transparência quanto à prestação de contas do antigo estatuto.

A nomenclatura de algumas instâncias também foi modificada, com o estabelecimento de uma hierarquia entre elas. “A principal mudança foi a divisão entre os órgãos deliberativos, que tomam as decisões, e os órgãos executivos, que vão efetivamente fazer a gestão da instituição. Mas permaneceram iguais os objetivos, a essência e os eixos do CIAAT”,  afirmou Melissa.

“Não houve compressão de nenhuma estrutura, nenhuma tentativa de modificar a essência do estatuto anterior. A ideia é dar maior transparência e publicidade ao CIAAT, principalmente em uma fase que assume projetos em que auditorias internas e externas são feitas, então precisa ser melhor estruturado”, concluiu.

A coordenadora da Central de Projetos, Célia Marte, prosseguiu com a leitura do estatuto. Ao final, Alberto abriu para esclarecimentos e o submeteu à votação, que obteve maioria favorável à sua aprovação.

Em seguida teve início a Assembleia para eleição da Diretoria e do Conselho Fiscal para o triênio 2021-2023, presidida por Alberto Cirino e secretariada por Dafny Raposo.

Com a comissão eleitoral composta por Célia Marte, José Aquino e Gracimar Cruz, uma chapa única foi indicada. Não houve impugnação da chapa, que foi eleita e empossada após sua aprovação.

O Conselho Administrativo eleito para o triênio 2021-2023 foi:

Presidente: Pedro Carlos dos Santos
Vice-presidente: Alberto Cirino

Primeiro-secretário: Guilherme Freitas
Segunda-secretária: Célia Silva

Primeira tesoureira: Dafny Raposo
Segundo tesoureiro: Clóvis Moreira

Conselho Fiscal:
Ângela Ferreira (Presidenta), Nagel e Maria José.
Suplentes: Claudete, Vera Luci e Pedro Zacarias.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn
INSTAGRAM