Embora não seja um conceito novo, a agroecologia tem ganhado muito espaço nos dias atuais devido aos avanços da degradação ambiental e das mudanças climáticas que já são perceptíveis em todo mundo.  Muitos profissionais da área ambiental e produtores rurais já procuram formas de desenvolvimento que causem menos danos ambientais, garantindo um futuro melhor para o planeta.

O que é?  

A agroecologia consiste em uma forma de agricultura sustentável, que envolve questões ambientais, sociais, políticas e culturais. Surgiu em 1934, com a conhecida Revolução Verde e foi desenvolvida pelo pesquisador, Albert Howard, botânico inglês pioneiro da agricultura orgânica e uma figura muito importante no início do movimento orgânico.

Porém foi em 1950 que o termo ganhou força, sendo aprimorado por Trofim Lysenko, passando a fazer parte da grade curricular de cursos de agronomia e sendo reconhecido como um conhecimento científico. Entre as décadas de 60 e 80, o termo agroecologia passou a ganhar espaço no cenário nacional.

Na época, movimentos sociais e sindicatos rurais passaram a pressionar o Governo por mudança nas práticas exploratórias da terra. Desde então, diversos movimentos sociais como o MST (Movimento dos sem Terra), CAT( Centro Agroecológico Tamanduá) cultivam práticas agroecológicas. 

Para que serve?

A agroecologia pretende diminuir os danos causados ao meio ambiente e à sociedade pela prática da monocultura, dos agrotóxicos, dos fertilizantes industriais e dos alimentos transgênicos. Assim, o seu impacto vai muito além do meio ambiente, ela faz bem para a vida e sociedade como um todo. 

A agroecologia propõe o manejo sustentável da terra por meio da agricultura orgânica, empregando tecnologias limpas, que causam menos danos ao solo e a água. A prática é uma alternativa ao agravamento das condições ambientais e sociais causadas pelo modo de produção atual. 

Segundo pesquisas divulgadas no livro “Dialética da Agroecologia“, a produção agroecológica pode produzir cerca de 6 a 10% a mais do que o agronegócio, causando menos impactos ambientais e sociais, e com menor custo.  

Mais que um conceito

A prática agroecológica refere-se a agricultura a partir de uma perspectiva ecológica, o foco não é apenas a produção econômica, mas também a harmonização do ecossistema, sem excluir componentes socioculturais. 

A agroecologia ultrapassa o conceito de conhecimento científico, ela é também um movimento de luta social e política. Sendo assim, ela não existe isoladamente, mas faz parte de uma ecologia dos saberes, formada por conhecimento científico, saberes populares, experiência de agricultores familiares e povos indígenas.   

Por fim, pode-se dizer que a agroecologia é a sistematização de saberes e práticas (científicos e empíricos), buscando o desenvolvimento sustentável da terra em conjunto com um desenvolvimento econômico mais justo e igualitário.

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn
INSTAGRAM