Produtores rurais de Governador Valadares estão sendo engajados para a recuperação de nascentes em suas propriedades, o trabalho faz parte do Programa de Recuperação de Nascentes e Educação Ambiental (P27), executado pela Fundação Renova e prevê a recuperação de 100 nascentes no município em 2019.  

A mobilização social do programa é responsabilidade do CIAAT e começou em janeiro deste ano. Cerca de 70 produtores rurais foram convidados para participarem das atividades, visando encontrar proprietários que possuem nascentes e desejam recuperá-las. 

 Em Governador Valadares, o trabalho acontece nos distritos de São Vitor, Nova Brasília e Córrego do Melquíades, as áreas foram indicadas pelo CBH-DOCE (Comitê de bacia hidrográfica do Rio Doce), seguindo a normas do Termo de Transação e Ajustamento de Conduta (TTAC), acordo firmado entre as Mineradoras Vale, Samarco e BhP, Governos de Minas e Espirito Santo, e Ministério Público para a revitalização e recuperação do Rio Doce.  

Até o momento, 92 nascentes já foram cadastradas para a recuperação e 35 produtores já assinaram o Protocolo de Consentimento para receberem o programa. Os produtores que já assinaram o protocolo de consentimento agora se preparam para o estaqueamento nas áreas demarcadas e a construção da cercaA participação é voluntária e o proprietário recebe, além de insumos, orientação técnica para fazer o cercamento das áreas que serão recuperadas. 

Mobilizar os produtores é de extrema importância na execução do programa, uma vez que, após o cercamento, a nascente deverá permanecer cercada por pelo menos 10 anos. O objetivo é proteger de animais de grande porte, como gado, e esperar pela capacidade do ambiente em se regenerar.  Proteger a cerca é uma função do produtor e a única maneira de garantir esse comprometimento é conscientizando da importância que esse trabalho trará para toda sociedade.  

Para o supervisor de campo do CIAAT, Guilherme Freitas, o engajamento é a chave do sucesso do programa. “O engajamento é fundamental para garantir a efetividade das ações implementadas nos projetos. O produtor engajado, se torna um aliado não só do trabalho, mas do meio ambiente, pensando a vida no campo de forma mais sustentável. Mesmo que a assessoria saia de cena, o legado da educação ambiental ficará e as chances de sucesso nos processos aumentam.” diz ele. 

Para aderir ao programa o produtor deve possuir a documentação que comprove a posse da propriedade nas áreas prioritárias definidas pelo CBH-Doce. Além disso, disponibilizar o seu Cadastro Ambiental Rural (CAR), em casos de propriedades que ainda não possuem, o produtor deve permitir sua elaboração por um técnico indicado.   

O programa de Recuperação de Nascentes e Educação Ambiental já está no Ano 3 e tem como objetivo recuperar 500 nascentes ao longo da bacia do Rio Doce. Ao todo, 5 mil nascentes serão recuperadas em 10 anos, sendo 500 por ano.  Das 500 nascentes previstas para serem recuperadas nesta etapa, 350 estão em Minas Gerais (100 na bacia do Piranga e 250 na bacia do Suaçuí) e 150 no Espírito Santo.  

Compartilhe:
Facebook
Twitter
LinkedIn
INSTAGRAM